Nos últimos meses podemos acompanhar o aumento acentuado dos casos de COVID 19 nas equipes brasileiras. Em algumas situações, grandes equipes chegaram a perder elencos inteiros devido a pandemia. Mas como chegamos até aqui? O protocolo falhou? Entenda.

O futebol e a COVID 19 no Brasil

Em meados de fevereiro a pandemia de COVID 19 já dava seus primeiros sinais em terras brasileiras, porém com um impacto inimaginável em todas as áreas da sociedade e no futebol não seria diferente. Naquele momento ainda eram disputados os estaduais que foram interrompidos às pressas, denotando o despreparo que veríamos dali em diante.

Como o Corona vírus pode influenciar o seu time?

Pelo mundo, todos os principais torneios foram sendo interrompidos, principalmente na Europa, onde o impacto inicial foi severo, vitimando centenas de milhares de pessoas, inclusive sob risco de uma segunda onda ainda pior.

Europa se prepara para novas restrições ante uma pandemia que não cede

Com a retomada do futebol europeu mediante a rígidos protocolos de segurança, a CBF decidiu criar o seu protocolo aos moldes da regulamentação utilizada na Bundesliga.

Sua criação teve inicio em abril e passou por diversas modificações para que pudesse ser aprovado em definitivo, sendo enviado para o ministério da saúde no final do mesmo mês para avaliação e receber sua aval definitiva.

O protocolo brasileiro para o retorno do futebol

Um grupo de médicos foi escolhido pela CBF para avaliar o protocolo baseados nos moldes europeus e coube a Jorge Pagura, presidente da Comissão Nacional de Médicos, avaliar as sugestões e discutir as ideias.

Neste modelo final, alguns pontos principais foram estabelecidos:

  • Testes rápidos de coronavírus – para todos jogadores e familiares, além da comissão técnica e estafe envolvida nos clubes e jogos.
  • Medição de temperatura – por infravermelho na chegada dos atletas e demais envolvidos nos locais de treinamentos.
  • Transporte – o protocolo prevê a possibilidade dos atletas irem em carros próprios. Nos treinos, cada um, de
    preferência, sozinho, no deslocamento. No transporte coletivo dos clubes, o veículo deverá ser higienizado, com espaçamento mínimo de duas fileiras, alternadas entre as colunas. Com uso de máscaras e álcool gel na entrada e saída do ônibus.
  • Treinos com grupos separados – horários agendados para a chegada de todos. Com uso de máscaras em comissão técnica e estafe, com as reuniões necessárias realizadas por vídeo. Importante separar atletas em grupos, com distância segura entre atletas.
  • Questionário prévio – médicos devem identificar possíveis casos suspeitos de coronavírus através de questionário médico. Caso haja sintomas, deve realizar teste rápido e podendo ir para casa em isolamento social.
  • Rouparia e lavanderia – jogadores devem ir já vestidos para os treinos, com utensílios pessoais, sempre levando para lavagem em casa.
  • Nutrição – o atleta vai fazer hidratação e suplementação em espaço individual de treinamento no campo aberto. A alimentação será realizada em casa, com cardápio orientado por nutricionistas do clube.
  • Vestiários – devem ser evitados no início. Quando autorizados, usar todos vestiários disponíveis, com divisão máxima de grupos de atletas. Por exemplo, uso de vestiário de mandante, visitante e de comissão de arbitragem.
  • Tratamento médico e fisioterapia com cuidados especiais – priorizar atletas lesionados e em casos pós-operatórios. Evitar contato com atletas, para isso uso essencial de máscaras e luvas, com as macas sempre higienizadas. Além disso, isolamento entre postos de tratamento.
  • Academia – devem também ser evitadas no primeiro momento. De preferência, usar pesos livros e barras em ambiente externo, de uso individual e sempre desinfetados antes e depois do uso.
  • Corredor de segurança no local de treino
  • Contratação de empresas de desinfecção e descontaminação

Fonte: https://www.cbf.com.br/a-cbf/informes/index/cbf-publica-guia-medico-para-retorno-das-atividades-do-futebol

O protocolo falhou?

Nos últimos meses o aumento de casos entre os jogadores da série A do Brasileirão vem chamando a atenção dos especialistas. Havendo situações que beiram o constrangimento como a partida entre Goiás e São Paulo válida pela primeira rodada da competição, onde o clube esmeraldino constatou 10 casos de COVID 19 e iria a campo com apenas 13 jogadores.

A partida foi adiada instantes antes do jogo começar, tendo apoio do próprio São Paulo para conseguir o adiamento.

Coordenador médico da CBF garante: “Não vai haver lugar mais seguro do que treino de futebol”

Não foi apenas o Goiás que sofreu com a perda de jogadores, até a publicação deste post já foram registrados mais de 60 casos de COVID 19 apenas nos times da série A.

Isso sem considerar as divisões inferiores. Os números da série D e C são um mistério até para a própria CBF. A falta de estrutura torna insalubre a prática do esporte, porém são equipes que dependem das partidas para conseguir ter sua renda anual e manter seus elencos. Logo a fiscalização é quase nula.


Em uma excelente reportagem feita pelos repórteres Pedro Ivo Almeida e Pedro Lopes para o portal UOL é feito um levantamento completo de dados atualizados e é chamada a atenção para o número crescente de casos de COVID 19 e o descaso dos clubes em prol da saúde financeira.

Nesta mesma reportagem é citada a lista de desfalques por equipes até a 22ª rodada do Brasileirão:

  • Palmeiras – 18 jogadores: Raphael Veiga, Willian, Rony, Matías Viña, Gabriel Veron, Gustavo Scarpa, Alan, Jailson, Vinicius Silvestre, Alan Empereur, Kuscevic, Danilo, Quiñonez, Aníbal, Breno Lopes, Gabriel Silva, Marino Hinestroza e Pedro Acacio.
  • Atlético MG – 10 jogadores: Jair, Everson, Alan Franco, Allan, Vargas, Victor, Réver, Guga, Sávio e Gabriel (além do treinador Jorge Sampaoli e sua comissão técnica).
  • Vasco – 9 jogadores: Benítez, Carlinhos, Ribamar, Ulisses, Tiago Reis, Fellipe Bastos, Fenando Miguel, Werley e Talles Magno.
  • Fluminense – 5 jogadores: Egídio, Michel Araújo, Nino, Hudson e Pacheco.
  • Coritiba – 5 jogadores: Ricardo Oliveira, Nathan, Henrique Vermudt e Ramón Martinez.
  • Ceará – 3 jogadores: Saulo, Gabriel Lacerda e André Luiz.
  • Corinthians – 3 jogadores: Jô, Mateus Vital e Jemerson.
  • Santos – 2 jogadores: Luan Peres e Ângelo (além do técnico Cuca).
  • Internacional – 2 jogadores: Daniel e Keiller
  • Athletico PR – 2 jogadores: Fernando Canesin e Geuvânio.
  • Fortaleza – 1 jogador: Paulão.
  • Sport – 1 jogador: Dalberto.

*Atlético-GO, Bahia, Botafogo, Flamengo, Goiás, Grêmio, Red Bull Bragantino e São Paulo não tiveram desfalques por COVID 19 nesta rodada.

Confira na integra a reportagem do UOL e as fontes:

https://www.uol.com.br/esporte/reportagens-especiais/o-protocolo-falhou-futebol-brasileiro-vive-novo-surto-de-covid-19/#page4

https://www.instagram.com/p/CGISaewhkXn/

Continuar o Brasileirão é seguro?

A CBF garante que sim. Segundo a entidade, não há o que se discutir a cerca do protocolo adotado e aponta fatores como a flexibilização como culpada no aumento de casos.

Nas palavras do médico da CBF Jorge Pagura:

“Não há motivos para rever o protocolo. A transmissão não ocorre em campo. Não tem nenhuma evidência disso. Inclusive, jogador só entra em campo com exame RT-PCR negativo. O ambiente do estádio é muito seguro. Já são mais de 200 jogos só na série A. Um aumento de casos na última semana não pode significar imediatamente que nosso protocolo não é seguro. Ele é. Inclusive atualizado e validado pela OMS (Organização Mundial de Saúde)”.

E enfatizou:

“O Brasil deu uma flexibilizada no controle da pandemia. E isso se reflete em todos os campos da sociedade”.

Grande parte dos clubes foram favoráveis ao retorno e mantiveram esta postura, porém no momento podemos ver esse movimento começar a mudar, já que começou a afetar o rendimento dos clubes em campo de uma forma não esperada.
Devemos lembrar também que há algumas semanas era debatido o retorno das torcidas aos estádios.

Para nós torcedores cabe aguardar e tomar as medidas e cuidados necessários para a não propagação do vírus e torcer para que tenhamos uma vacina eficiente, pois não vemos a hora de poder acompanhar nosso time do coração de perto, como nos velhos tempos.

Escale agora mesmo no SPM 365 e ganhe prêmios em dinheiro! Aproveite a Black Week e participe da super promoção preparada para você fã do esporte!