A tragédia de Port Said ocorreu no dia 1 de fevereiro de 2012, após um jogo entre o Al-Masry e o Al-Ahly no Egito. Pelo menos 79 pessoas morreram e mais de mil ficaram feridas depois de milhares de torcedores invadirem o campo após a vitória de Al-Masry por 3×1.

No dia 1º de fevereiro de 2012, o estádio Port Said testemunhou uma das maiores catástrofes da história recente do Egito, em uma partida entre o clube Al-Ahly do Cairo e o clube Al-Masry de Port Said. Setenta e nove fãs de futebol do maior fã-clube de Al-Ahly, os Ultras Ahlawy, foram massacrados pela torcida rival. Muitos acreditam que eram mercenários, mas nada foi confirmado.

Naquele dia, os torcedores egípcios esperavam uma grande noite de futebol. O Al- Ahly tem uma rivalidade histórica com o El Masry. Seus jogos, especialmente os que se jogavam em Port Said, eram uma alegria para os fãs de futebol em todo o Egito.

O jogo começou e logo o Al Ahly abriu o placar, aos 10′ com um cabeceamento do atacante brasileiro Fabio Júnior. Eles dominaram o primeiro tempo depois do gol e terminaram ganhando por 1×0.

Os sinais de perigo começaram no intervalo, quando grupos de fãs do Al-Masry começaram a jogar objetos com fogo no campo enquanto alguns invadiram e correram em direção a torcida do Al Ahly. No entanto, os oficiais de segurança do estádio conseguiram impedir que eles chegassem e colocaram todos os torcedores nos seus lugares antes do segundo tempo.

Arquibancadas do estádio manchadas de sangue.

Tudo mudou no segundo tempo, o Al Masry foi o melhor time e criou muitas chances de gol. Após 15 minutos, o técnico do Al Ahly, Manuel José, pediu ao árbitro que parasse o jogo depois que os fãs do Al Masry começaram a atacar o banco do Al Ahly e jogaram fogo novamente no campo.

O jogo parou por dez minutos e a câmera exibiu um torcedor incitando os outros a continuar seus atos. O jogo recomeçou e Al Masry igualou o placar minutos depois com Moamen Zakari, que marcou de novo sete minutos depois.

A comemoração do segundo gol para o Al Masry foi outro sinal perigoso, pois seus torcedores invadiram o campo para comemorar o gol com seus jogadores e eles permaneceram em campo. Enquanto isso, a segurança não conseguiu controlá-los.

O atacante do Al Masry, Abdaalah Cisse, marcou o terceiro gol que garantiu a vitória de seu time. Depois disso, o campo ficou caótico com centenas de fãs invadindo para atacar a torcida do time visitante.

As forças de segurança rapidamente escoltaram os jogadores para fora do estádio, mas eles deixaram os fãs irem para as arquibancadas do time rival e a tragédia começou, um dos jogadores presentes na partida foi Mohamed Salah, que conseguiu sair do estádio antes da tragédia.

Ao contrário do protocolo, a polícia não revistou os fãs do Al-Masry, que empunhavam facas, espadas, pedras e fogos de artifício. Como os confrontos começaram no final da partida, a polícia não interveio. Em vez disso, eles se retiraram do estádio, soldaram as portas e apagaram as luzes do estádio. Nesse intervalo de tempo, os Ultras Ahlawy estava sendo perseguidos, esfaqueados, sufocados e jogados para fora das arquibancadas.

A maioria dos torcedores mortos no estádio tinha entre treze e vinte anos. O massacre ocorreu em um frenesi de vinte minutos.

Estádio de Port Said em chamas.

A tragédia aconteceu tendo como pano de fundo uma vingança contínua entre a polícia e os Ultras Ahlawy, que se manifestaram em diversos confrontos desde o início do grupo em 2007. Muitos acreditam que a polícia orquestrou este massacre para retaliar a humilhação sofrida nas mãos dos Ultras, que lutou ferozmente contra a polícia durante a revolução egípcia de 2011.

As 72 vítimas foram:

Mahmoud Ghandour, Mahmoud Soliman, Karim Junior, Eslam Elwan, Ahmed Youssef, Mostafa Essam, Sayed Gouda, Mohamed Roshdy, Mohamed Samir, Mohamed Mahmoud, Ahmed Esmail, Mohamed Khater, Ahmed Zakaria, Ahmed Taha, Ahmed Soliman, Ahmed Osama, Ahmed Ezzat, Ahmed Fawzi, Ahmed Waggih, Osama Mostafa, Eslam Ahmed, Anas Mohy, Ayman Mohamed, Hamed Fathy, Hossam El Sayed, Hassan Fahmy, Hussein Mohamed, Khaled Omar, Khairy Fathy, Soliman Ahmed, Abdel Rahman Fathy, Omar Aly, Omar Adam, Amr Steve, Karim Ahmed, Karim Khozzam, Mohamed Gamal, Mohamed Khaled, Mohamed Samir, Mohamed Sayed, Mohamed Serry, Mohamed Abdallah, Mohamed Mahrous, Mohamed Mostafa, Mohamed Nasser, Mahmoud Sabber, Mostafa Gamal, Mostafa Metwally, Mostafa Nasr, Mostafa Aboud, Mohab Ahmed, Youssef Hamada, Mamdouh Mohamed, Mahmoud Salama, Mohamed Fargaly, Karim El Meligy, Alaa Morsi, Said Mohamed, Amgad El Sayed, Mostafa Mohamed, Ahmed El Shaboury, Said Gamal, Mohamed Ashraf, Ahmed Saleh, Mostafa Mohamed, Omar Gamal, Mohamed Hussein, Ibrahim Helmy, Al Araby Kamel, Bassem El Dosouky, Mohamed Ali and Eslam Hassan.

Quais ações podem ser tomadas para que esse tipo de violência não ocorra mais em campo em nenhum lugar do mundo?