Palmeiras domina River e se aproxima da final. Santos empata com Boca e reclama da arbitragem por pênalti claro não marcado.

River Plate 0x3 Palmeiras

O placar elástico surpreendeu. Não que o Palmeiras não seja um time de qualidade comandado por um técnico competente, muito pelo contrário – inclusive, ainda não descobri como o Luxemburgo conseguiu convencer o Brasil de que esse elenco era ruim.

Mas na outra metade do campo estava o poderoso River de Marcelo Gallardo, que chegou à sua quarta semifinal consecutiva de Libertadores e tem bastante tradição na Libertadores. Além disso, o jogo foi em Buenos Aires, então a expectativa era de um confronto bem equilibrado.

Com a bola rolando, o Palmeiras teve uma atuação praticamente perfeita e o River, definitivamente, não estava em um dia bom. Rony, Luiz Adriano e Viña foram os responsáveis pelos tentos alviverdes que praticamente liquidaram a fatura e contaram com uma boa ajuda da defesa dos millonarios.

No primeiro gol, Armani saiu de pé (quando deveria ter saído de mão) e afastou mal; Rony pegou o rebote e fez o primeiro. No segundo gol, Luiz Adriano não teve dificuldade em afastar Roberto Rojas do caminho da bola e seguir sozinho em direção à meta de Armani; o defensor do River sequer tentou dar um bote, o que é um erro crasso para um jogo tão importante. Na terceira vez que a bola morreu no fundo das redes, Vinã saltou completamente livre e desviou de cabeça.

O time de Marcelo Gallardo, se quiser buscar uma improvável classificação, precisará treinar muito a parte defensiva para que não torne ainda mais difícil a situação – que já está praticamente irreversível. E o Palmeiras de Abel Ferreira, que era questionado por não ter ganhado nenhum jogo de grande magnitude até agora, calou os críticos e está muito perto de disputar a final da Libertadores.

Boca Juniors 0x0 Santos

Caiu na Vila o Peixei fuzila? Pode ser. Mas fora da Vila, quem fuzila é o VAR. O empate em 0x0 pelo jogo de ida da semifinal teve um gosto amargo para o time do Peixe, que conseguiu conter bem o Boca e criou bem, mas pecou na pontaria e viu um pênalti claríssimo em Marinho não ser assinalado pelo árbitro chileno Roberto Tobar.

O jogo começou com as duas equipes dispostas a buscar o gol e logo aos oito minutos o Boca já tinha chegado com muito perigo. Em uma triangulação, Villa, em posição irregular, recebeu de Tevez dentro da área e chutou por cima de Jhon, mas a bola beijou o travessão e morreu na linha lateral. O Peixe usou principalmente Soteldo e Marinho para responder com algumas jogadas de ataque, mas não conseguiu levar perigo real ao gol de Andrada.

No segundo tempo, o Santos aumentou seu volume de jogo e continuou marcando presença no ataque, mas sem criar nenhuma oportunidade clara até que aconteceu o lance em que, no bom linguajar dos boleiros, GARFARAM o Peixe. Veja o vídeo do lance:

O empate contra o Boca na Argentina é sempre um bom resultado. Mas, pra além disso, o futebol que o Santo mostrou foi muito convincente. O trabalho de Cuca à frente do comando do time tem sido muito bom e mesmo diante de um forte adversário, Marinho, Soteldo e Kaio Jorge deram conseguiram incomodar. No fim, o empate ficou de bom tamanho.

Na volta, um empate em 0x0 leva para os pênaltis e um empate com gols dá a vaga ao Boca. Portanto, só a vitória pode fazer o Peixe se classificar no tempo normal.

Entre Santos e Boca, quem você acha que passa para final? Conte nos comentários!