Assim como todos os esportes, o futebol também tem escândalos que mancham a história do esporte. Confira também nossa parte I e parte II.

Olympique de Marsella – Champions 1993

Olympique de marsella levanta taça da Champions.

A Olympique de Marselha é o único clube francês a ter levantado a taça da Champions League. O feito aconteceu na temporada de 1992-1993, após os franceses baterem o Milan por 1 x 0 na final. Além disso, contaram com uma campanha invicta no torneio europeu. Contudo, diversas reviravoltas e polêmicas chegaram com essa conquista.

Um jogo na semana anterior, contra o Valenciennes, pela Ligue 1, acabou desvendando toda a história. Pela diferença no nível técnico, a partida era considerada fácil e o 1 x 0 no placar evidenciou isso. Contudo, no intervalo do jogo, o jogador Jacques Glassmann contou ao técnico Boro Primorac que Jean-Jacques Eydelie e Jean-Pierre Bernes, defensor e diretor do Olympique, respectivamente, tinham o subornado. Além dele, Jorge Burruchaga e Christophe Robert também receberam a oferta. O último acabou aceitando.

Além da classificação antecipada, a vitória contra o Valenciennes garantiria um confronto mais tranquilo para os jogadores do time de Marselha. Assim, os mesmos chegariam mais descansados para a grande final, junto com a garantia do título do Campeonato Francês. Posteriormente o caso foi investigado pela polícia e confirmado, houve fraude.

Dentro dos gramados, o clube perdeu o direito de defender o título da Champions, apesar de não retirarem a conquista de 1993. Na França, o clube foi rebaixado automaticamente e foi obrigado a decretar falência. A recuperação veio apenas quando o dono da Adidas, Robert Louis-Dreyfus, assumiu o comando do clube, em 1996.

Copa de 1978

Seleção argentina comemorando a vitória.

Não se esqueça de escalar seu time no SPM 365.

A polemica da Copa de 1978 foi um um suposto acordo entre o goleiro do Peru e os generais argentinos, onde o atleta se venderia para garantir o resultado favorável a Argentina, sede da Copa.

Uma das maiores suspeitas de que houve realmente armação por parte dos generais argentinos foi que, em cima da hora e desrespeitando totalmente o regulamento, a FIFA arbitrariamente mudou o horário da primeira partida da semifinal, fazendo com que o Brasil tivesse que enfrentar a Polônia três horas antes do jogo da Argentina contra o Peru.

As duas equipes tinha a mesma quantidade de pontos e, caso ambos triunfassem, a classificação se daria por saldo de gols. Como o Brasil jogaria antes, os argentinos saberiam exatamente quantos gols precisariam fazer no Peru para chegar à decisão contra a Holanda. 

A CBF, sentindo-se prejudicada, apresentou um protesto à comissão organizadora, mas o mesmo foi imediatamente rejeitado. O Brasil, portanto, bateria os poloneses por 3×1, tendo assim três gols a mais que a Argentina. Esta teria que vencer o Peru, já desclassificado, por mais de três gols.

Na partida, os hermanos venceram o Peru por 6×0, uma goleada que levantou muitas suspeitas, até porque naquela Copa a Argentina não tinha vencido nenhum adversário por mais de dois gols de diferença.

O jornalista britânico David Anthony Yallop, mais tarde, publicou um livro chamado: Como eles roubaram o jogo. Nele é explicado como isso ocorreu, lembrando que na época tanto a Argentina quanto o Peru viviam uma ditadura militar.

Em março de 2018, em entrevista ao jornal peruano “Trome”, José Velásquez, ex-jogador da seleção peruana, declarou que seis companheiros “se venderam” naquela partida. Um dos acusados foi o goleiro Ramón Quiroga.

Paolo Rossi

Paolo Rossi jogando contra o Perugia.

Que Paolo Rossi foi o grande carrasco da Seleção Brasileira na Copa Mundo de 1982 e campeão da mesma edição do torneio, todo mundo sabe. O que poucos sabem é que o atacante italiano estava suspenso do futebol e impossibilitado de atuar profissionalmente nesse período.

No final dos anos 70 e início dos 80, as apostas em jogos de futebol era algo que crescia muito na Itália. Com isso, o futebol foi afetado com manipulações de resultados beneficiando homens fortes do poder. Eis que o chefe da mafia das apostas, Massimo Cruciani, foi pego e delatou outros envolvidos.

O escândalo aconteceu quando ele jogava pelo Perugia: Rossi foi acusado de concordar com a manipulação de uma partida contra o Avellino – na qual fez dois gols. Condenado, o atacante não foi preso porém foi suspenso por três anos do futebol em 1980. 

Poucos meses antes da convocação final para o mundial de 1982, a justiça italiana diminuiu a pena de Paolo Rossi e o atacante acabou convocado pelo técnico Enzo Bearzot. A sua convocação gerou muita revolta, não apenas pelo escândalo, mas também pelo jogador não entrava em campo há quase dois anos.

Apesar disso o jogador foi a Copa e, justamente contra o Brasil, ele desencantou e marcou três gols, na vitória italiana por 3×2. Na semi diante da Polônia, Rossi marcou os dois gols da vitória da Itália por 2×0. E na grande final, o atacante camisa 20 abriu o placar contra a Alemanha e o jogo terminou 3×1 para Itália, que sagrou-se tricampeã mundial.

Gostou da nossa série? Qual foi o maior escândalo para você? Não se esqueça de escalar seu time no SPM 365.