Em 66, o Cruzeiro se firmou no cenário nacional ao bater o Santos de Pelé com uma goleada histórica

Assim como nos outros anos, a edição da Taça Brasil de 1966 tinha representantes estaduais e o campeão do ano anterior. No total, eram 22 times em busca do troféu.

A forma de disputa também não teve alterações. As equipes foram divididas em quatro grupos (Norte, Nordeste, Sul e Centro), cujos campeões deveriam brigar pelos títulos de duas Zonas (Norte e Sul). Os campeões das Zonas, então, entrariam na fase final para disputar contra os representantes dos estados de São Paulo e da Guanabara.

Zona Sul

Grupo Sul

Com apenas 3 times, era o menor de todos os grupos. O Ferroviário passou pelo Inter de Lages e enfrentou o Grêmio na final.

Depois do empate em 0x0 no primeiro jogo, o tricolor venceu o segundo jogo por 3×0 e garantiu a vaga na disputa da Zona.

Grupo Centro

5 eram as equipes desse grupo e os confrontos foram os seguintes: Anápolis x Rabello, Americano x Desportiva e o Cruzeiro já estava na final.

O Anápolis passou pelo Rabello vencendo o primeiro jogo por 2×0 e o terceiro duelo por 4×1 (o Rabello conseguiu derrotar o Anápolis no segundo jogo por 1×0). Na outra disputa, Americano e Desportiva inicialmente empataram por 2×2 e a partida seguinte foi vencida pelo Americano por 3×0.

Os dois classificados, Anápolis e Americano, se enfrentaram para decidir quem disputaria a vaga do grupo diante do Cruzeiro e quem levou a melhor foi o Americano, que venceu o segundo e o terceiro jogo (2×1 e 3×2).

Mas o Cruzeiro tinha uma equipe muito superior e foi o campeão do grupo sem dificuldades. Passou como um trator pelo Americano e venceu os dois jogos por 4×0 e 6×1.

Decisão

Cruzeiro e Grêmio decidiriam, então, quem avançaria à fase final e o confronto prometia bastante emoção, já que ambas as equipes eram bem estruturadas e tinham atletas de alto nível.

O Cruzeiro passou, mas não foi uma tarefa fácil. Na primeira partida, um empate sem gols deixou a decisão completamente aberta e qualquer uma das equipes poderia vencer o segundo da série de melhor de três (o que seria o suficiente para garantir a vaga).

O Cruzeiro, com dificuldades, conseguiu vencer o Grêmio por 2×1 e chegou ficou a uma fase de distância da final.

Zona Norte

Grupo Nordeste

O Vitória (BA) já estava na final e aguardava o sobrevivente entre CSA (AL), Confiança (SE), ABC (RN) e Campinense (PB). Quem acabou chegando na final foi o clube alagoano, depois de bater o Confiança (2×0 e 1×0) e o Campinense (3×2 e 2×0).

Mas quem acabou levando o título do grupo foi o Vitória em dois jogos com muitos gols. No primeiro, vitória apertada por 3×2; no segundo, o placar foi 4×2 a favor do baianos.

Grupo Norte

No grupo Norte, o Fortaleza era o finalista que aguardava o vencedor de Sampaio Corrêa (MA), Flamengo (PI), Rio Negro (AM) e Paysandu (PA).

Depois de passar pelo Rio Negro sem nenhuma dificuldade – vitórias por 6×0 e 3×0 – o Paysandu passou pelo Flamengo para chegar à final do Grupo. Contudo, não resistiu à forte equipe do Ceará e, depois de uma derrota e um empate, foi eliminado da competição.

Decisão

Para a decisão da Zona Norte, três equipes estavam no pleito. Além de Vitória e Fortaleza, campeões de seus grupos, o Náutico já tinha vaga na final.

Depois de um empate enter baianos e cearenses por 1×1, o Vitória goleou na segunda partida e venceu por 4×0, ficando com a segunda vaga da final. Mas o Náutico fez valer o favoritismo e eliminou o Vitória com os placares de 3×0 e 3×2.

Fase final

Semifinais

O Náutico, campeão da Zona Norte, precisaria passar pelo temido Santos de Pelé se quisesse chegar à final. E, apesar da missão difícil, os pernambucanos conseguiram fazer frente ao Peixe. Depois de ser derrotado por 3×0 na Vila, o Náutico venceu em casa por 5×3 e forçou um terceiro confronto.

Mas não teve jeito. O time de Pelé dominou completamente e aplicou um incontestável 4×1 que levou os paulistas á final.

Na outra semi, o Cruzeiro enfrentou o Fluminense. No primeiro jogo, na casa dos cariocas, a vitória celeste veio pelo placar mínimo de 1×0, o que era um bom indicativo para o jogo de volta.

E no Mineirão, veio mais uma vitória da raposa mineira, mas dessa vez por 3×1. Assim, ficou definido quais seriam os dois times na grande final da Taça Brasil de 1966

Final

A final também seria decidida em uma melhor de três jogos e o favoritismo era todo do Santos, que já tinha sido campeão das últimas cinco edições da Taça Brasil.

Mas, na primeira partida da decisão, algo totalmente inesperado aconteceu: o jovem time do Cruzeiro, com jogadores ainda desconhecidos no cenário nacional, aplicou um impiedoso 6×2 sobre o Santos de Pelé. O resultado foi tão chocante que até os jogadores do Cruzeiro tiveram dificuldades para crer. Já contamos aqui no blog os detalhes desse jogo histórico.

Na partida de volta, o Santos precisava vencer e tudo indicava que seria uma missão bastante difícil. Com muita determinação para devolver a goleada sofrida em Belo Horizonte, o Peixe até deu esperanças à sua torcida quando abriu 2×0 de vantagem. Mas, mais uma vez, o clube celeste surpreendeu e buscou a virada para 3×2

Com esse placar, o Cruzeiro eliminou a necessidade de um terceiro jogo e garantiu o título. A partir dali, o time mineiro passou a ser reconhecido pelo seu feito e ganhou relevância nacional.

Qual outra conquista do século passado é marcante para você? Conte para a gente nos comentários!