A América do Sul está alviverde! O Palmeiras se sagrou campeão da competição no último final de semana sobre o rival Santos.

A decisão foi disputada no Maracanã e, Breno Lopes, nos acréscimos, garantiu a vitória do Palmeiras e consequentemente o título da competição. Além disso o Porco já garantiu sua vaga direta para a fase de grupos da competição na temporada 2021, que começa em março.

Foi uma longa espera, mas o título de Bicampeão da Libertadores veio. O Palmeiras foi o melhor time da fase de grupos da edição de 2020, se assustou com a derrota para o River Plate na semifinal, mas, soube se adaptar às condições que o jogo final impôs e mereceu a vitória.

A partida final, contra o Santos, foi evidenciada por tensão e forte marcação pelos dois times, o que tornou as defesas superiores aos ataques. Esse cenário marcou praticamente todo o jogo, mas em clássicos equilibrados como esse, uma única falha pode ser fatal. E, foi exatamente isso que ocorreu.

Tática e tecnicamente, Palmeiras e Santos ofereceram um espetáculo longe de ser exuberante. Durante a maior parte do jogo, os dois times se mostraram imprecisos, nervosos, mais preocupados em não correr riscos.

A coragem que marcou as campanhas de ambos na Libertadores só entrou em campo na metade do segundo tempo, quando coincidiram as substituições de Cuca e Abel Ferreira, e a sombra que tomou conta do gramado amenizou o forte calor que fazia no Rio de Janeiro.

Minutos antes do gol que decidiu a Copa Libertadores, Cuca cometeu um delírio. O jogo estava no sexto minuto (de oito previstos) de acréscimo quando o técnico do Santos quis pegar uma bola que saía pela lateral para atrapalhar a cobrança do lateral palmeirense Marcos Rocha e acabou expulso.

No lance do gol, uma falha da marcação santista, bastou para que os atacantes do Palmeiras Rony e Breno Lopes tivessem participação decisiva para fazer o gol da vitória. Além disso, a expulsão de Cuca tirou o foco da equipe do Santos e colaborou para que o time se desestruturasse.

A diferença entre os dois elencos é clara e, para o Santos conseguir preencher todas as lacunas e conseguir a vitória, era necessário que todos os jogadores atuassem de maneira impecável . Ao longo da partida, as maiores estrelas da Vila, Marinho e Soteldo não brilharam como deveriam.

Porém o Santos foi audaz. Teve boas oportunidades de sair com a vitória na final, mas esbarrou no goleiro palmeirense Weverton que estava bem posicionado e conseguiu fazer defesas importantes. Mesmo com o momento difícil que o Santos vive fora das 4 linhas, teve uma campanha muito acima das expectativas. Cuca foi crucial para isso, com ele no comando melhorou seu desempenho, conseguiu se blindar e fazer boas partidas, tanto que foi a segunda melhor campanha na Libertadores.

Já do outro lado, Abel Ferreira soube aproveitar bem o que o Verdão ofereceu. Utilizou Breno Lopes, que estava no banco de reservas para que com seus quase 1,80m de altura, aproveitasse melhor os lances de bola área. Além disso, o Palmeiras possui um elenco farto, que por vezes foi alvo de críticas, mas agora com a gestão do português é importante para garantir a versatilidade à equipe.

Desde que a Libertadores foi retomada, em setembro de 2020, após seis meses de paralisação por causa da pandemia, todos as partidas foram disputadas sem a presença de torcedores. A final foi a exceção. Havia pelo menos cinco mil pessoas no Maracanã.

A CONMEBOL autorizou a presença de público, ignorando completamente a pandemia que ainda está em curso no mundo e, que apenas no Brasil, já matou 224.504 pessoas, 1.016 delas no sábado em que Palmeiras derrotou o Santos na final da Libertadores.

Para você foi justa a vitória? Conta pra gente! Não esqueça de fazer sua escalação No SPM 365!